Ouça agora

Rádio AM 1170 Rádio FM 102.5

Ouça pelo celular



Rádio Uirapuru - Política

Publicada em: 28/12/2017 , por Jornalismo Rádio Uirapuru

A A A

Cármen Lúcia suspende pontos do decreto de Temer que abrandavam regras do indulto de Natal

Rádio Uirapuru
Créditos: Agência Brasil
Cármen Lúcia suspende pontos do decreto de Temer que abrandavam regras do indulto de Natal

Nesta quinta-feira (28), a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, suspendeu os trechos do decreto editado na semana passada pelo presidente Michel Temer que abrandavam as regras para concessão do indulto de Natal. Ela é esponsável pelo plantão do Judiciário durante o recesso.

 

A magistrada acolheu os questionamentos da procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que, nesta quarta (27), protocolou uma ação na Suprema Corte para suspender os efeitos do decreto natalino que reduziu o tempo de cumprimento das penas a condenados por crimes cometidos sem violência ou grave ameaça.

 

O indulto natalino é um perdão de pena e costuma ser concedido todos os anos em período próximo ao Natal. Atribuição do presidente da República, esse benefício não trata das saídas temporárias de presos, nas quais os detentos precisam retornar à prisão.

 

No ano passado, Temer já havia flexibilizado um pouco as regras de concessão do benefício, determinando que poderiam ser beneficiados pelo perdão pessoas condenadas a no máximo 12 anos e que, até 25 de dezembro de 2016, tivessem cumprido um quarto da pena, desde que não fossem reincidentes.

 

O indulto deste ano abranda ainda mais as normas de concessão do benefício, ao não definir um período máximo de condenação para que o detento obtenha o perdão presidencial. Além disso, o decreto do presidente reduziu para um quinto o tempo de cumprimento da pena para presos não reincidentes. A medida contempla quem cumprir esses requisitos até 25 de dezembro de 2017.

 

Na ação judicial apresentada ao Supremo, a procuradora-geral da República argumentou que o decreto de Temer viola os princípios da separação de poderes, da individualização da pena e da proibição, prevista na Constituição, de o Poder Executivo legislar sobre direito penal.

 

Outro trecho do decreto questionado por Raquel Dodge é o que prevê a possibilidade de livrar o detento beneficiado com o indulto do pagamento de multas relacionadas aos crimes cometidos.

 

Para a procuradora-geral, o perdão de multas seria uma forma de renúncia de receita por parte do poder público.

 

*G1

Comentários

A Rádio Uirapuru não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Ouça ao vivo

De tudo um pouco

com Valdir Mello e João Victor

Sexta-Feira

das 20:15 às 23:00

ouça ao vivo

Você acha que os presos devem pagar suas despesas na cadeia?

Copyright © 2018 Grupo Uirapuru . Todos os direitos reservados. Parceria Sistemas